segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Viajo porque preciso.

É por isso que viajo.
Pra me perder de mim,
Pra ocupar os cacos que pairam no meu pensar,
Pra não deixar você de vez sumir ou mudar.
Simplesmente fica lá,
Guardado e intacto.

Pois cada mundo que conheço
me desvia de você,
de vocês.
Me faz mais pedra
E você mais perpétuo.

Que nem os sonhos que nunca dão certo.
Que nem o tempo que nunca se ajusta pra nós.

3 comentários:

Anônimo disse...

muito lindo!

Luísa Gomes disse...

Então o que faz bem a tudo que sente, aproveita, mocinha e curte o verão...

Anônimo disse...

Viajar, em todos os sentidos, é sair do lugar onde estamos acomodados e de onde possuímos uma pespectiva e pular em um infinito de duvidas e incertezas, onde iremos achar erros e acertos. porém, nunca se deve se arrepender do primeiro impulso que nos levou a um novo mundo, nunca antes imaginado, pois ja fomos muito velhos para perceber que somos novos para nos arrepender.