quinta-feira, 3 de março de 2011

É tarde, e quero descansar.

E a dificuldade de abandonar as coisas simples que são abafadas pelos nossos velhos hábitos?
Nos prendemos a cláusulas torturantes,
Criamos rótulos que não nos traduzem.

Caímos no abismo de nós mesmos,
Nas armadilhas que iscamos,
Num mar de nossas próprias lágrimas.

São círculos que eu já sei que existem,
Mas que deveriam ser belos,
Se transformarem em espirais
E circundar todos de coisas boas.

E ser piegas é preciso quando se deixou de querer o bem de tudo que faz parte do viver.

Um comentário:

Géssica Sena disse...

"E ser piegas é preciso quando se deixou de querer o bem de tudo que faz parte do viver."

Tô te citando no twitter, viu moça?
Fazendo suas palavras irem mais longe...
rs