segunda-feira, 28 de abril de 2008

Alguns momentos.

Podia ficar a eternidade assim,
observando aqueles pequenos olhinhos femininos.
Aquele marron tão verdadeiro que nenhum azul superaria.
Levemente avermelhado, o seu entorno
conferia-lhe o único vestígio de humanidade.
Totalmente contrário àquele brilho, ou melhor,
àqueles quatro brilhos refletores
mergulhados na imensidão negra de seu centro.
Eu podia ficar a eternidade assim,
mas você piscou
e uma voz me distraiu.

3 comentários:

vanessa•costa disse...

belíssimo queridin!
escrevendo mais e mais; que bom!


*guardar tudo no aquário?
eu queria era me livrar de tudo.

Lais disse...

haha! achei! gostei.
daqui a pouco eu volto. ;D

bilis disse...

de fuder velho
manhas tu tem
seus poemas são vc
n há como ser diferente